É HORA DE PRESTIGIAR E APRENDER COM A BOA PROSA DE FLORENTINO VEREDA

Por casciano em Comportamento, Cultura, Pessoas | Deixe um comentário

Laurence Nóbrega 3

* Foto: Divulgação.

É hoje, logo mais às 18hs, no terceiro piso do shopping Midway Mall, na loja que hoje serve à troca de cupons, entre o Café São Braz e a loja d’O Boticário, que o empresário Laurence Nóbrega, senta no seu bureau de autógráfos e como quem está num confessionário católico, declara: “Confesso Que Escrevi”.

E, os presentes, como se padres fossem, individualmente, haverão de declarar: “Está perdoado meu filho, basta que autografe este exemplar pra mim”.

“Confesso Que Escrevi”, é o livro que reúne 63 crônicas, publicadas no decorrer dos últimos sete anos, na coluna do jornalista Woden Madruga, no jornal Tribuna do Norte, em forma de cartas, sob o pseudônimo de Florentino Vereda – botânico morador do Jalapão, que desenvolve pesquisa para o cultivo da mangaba (hancornia speciosa) e do araticum-cagão (anona cacans), em pleno cerrado brasileiro.

A velha técnica, ou velha bossa, ou timidez, ou qualquer outra coisa, seja o que for, de se publicar uma produção literária, com pseudônimo, funcionou com Laurence Nóbera. Muitos curiosos, durante muitos anos, procuravam saber quem seria aquele Florentino Vereda, o autor das belas cartas que Woden Madruga publicava.

“Pois bem, ruiu a máscara”, escreveu em seu blog o escritor François Silvestre, mostrando-se surpreso por Florentino habitar o corpo e a mente do amigo Laurence Nóbrega. “Esse fi duma égua vivia ironizando os amigos metidos a escritores, dizendo assim: “isso é coisa de vocês, intelectuais” […] “Está saindo da toca”[…]. A nota do blog terminou na contracapa do livro.

Surpresa geral com a qualidade do texto, a beleza estética das frases, a originalidade do palavreado usado por Laurence Nóbrega, através de Florentino Vereda, no seu livro de estréia no mundo das letras.

“Confesso Que Escrevi”, de Florentino Vereda, alter ego de Laurence Nóbrega, tem 229 páginas, edição da Z Editora e foi impresso na gráfica RN Econômico, com projeto gráfico de Vitor Marinho. Preço de lançamento: apenas R$ 40,00.

Vale a pena ir, comprar, pedir o autógrafo e se deliciar com a leitura.

É por aí!…

Casciano Vidal, com João Bezerra de Medeiros Filho 

PS. Para falar com o autor: cascianovidal@gmail.com

EU APOIO E QUERO: 10 MEDIDAS CONTRA A CORRUPÇÃO!

Por casciano em Política | Deixe um comentário

Conheça as propostas do Ministério Público Federal apoiadas pelos Ministérios Públicos de todo o Brasil, para combater e reduzir a corrupção de dinheiro público no Brasil.

10 Medidas

* Foto: Divulgação.

O projeto de lei, que recebe apoio popular, com as 10 Medidas já está na Câmara dos Deputados e, finalmente, recebeu a assinatura do presidente em exercício da Casa, Waldir Maranhão, para começar a tramitar.

Resultado da campanha nas mídias digitais com a hastag #assinaMaranhão.

Veja quais são as propostas:

1

Prevenção à corrupção, transparência e proteção à fonte de informação

Esta medida inclui a destinação de parte dos recursos de publicidade dos entes da Administração Pública (entre 10% e 20%) a programas de marketing voltados a estabelecer uma cultura de intolerância à corrupção e a conscientizar a população sobre os danos sociais e individuais causados por ela. Além disso, propõe o treinamento reiterado de todos os funcionários públicos em posturas e procedimentos contra a corrupção, o estabelecimento de códigos de ética claros e a realização de programas de conscientização e pesquisas em escolas e universidades. Para estimular denúncias de casos de corrupção, pretende-se garantir sigilo da testemunha. Por fim, propõe-se ainda, mecanismos que  garantam a celeridade dos processos, sempre que seu trâmite demorar mais do que a duração razoável.

2

Criminalização do enriquecimento ilícito de agentes públicos

A proposta torna crime o enriquecimento ilícito de agentes públicos, com previsão de pena de prisão variando entre três e oito anos. A medida pretende garantir que o agente público não fique impune mesmo quando não for possível descobrir ou comprovar quais foram os atos específicos de  corrupção praticados por ele. Ou seja, ainda que não tenha sido possível comprovar o crime de corrupção na origem, o fato de o agente público ter adquirido considerável patrimônio, absolutamente incompatível com seus rendimentos, poderá acarretar a responsabilização, pela evidência do enriquecimento ilícito.

3

 Aumento das penas e crime hediondo para corrupção de altos valores

Prevê o aumento de pena para crimes de colarinho branco conforme o valor do dinheiro desviado. Assim, quanto maior o dano causado ao patrimônio público, maior será a condenação, que pode variar de 12 até 25 anos de prisão, quando o montante for superior a R$ 8 milhões. A ampliação da pena objetiva coibir a prática da corrupção, bem como evitar a prescrição dos crimes desta natureza. Além disso, atribui aos crimes de corrupção peso equivalente aos crimes praticados contra a vida, pois a corrupção mata ao desviar recursos públicos que deveriam garantir direitos essenciais como saúde, educação, saneamento básico e segurança.

4

Aumento da eficiência e da justiça dos recursos no processo penal

São propostas 11 alterações pontuais no Código de Processo Penal (CPP) e uma emenda constitucional, a fim de dar celeridade à tramitação de recursos em casos do chamado “crime do colarinho branco”, sem prejuízo do direito de defesa do réu. Atualmente, brechas na lei permitem que a sentença final desse tipo de crime demore mais de 15 anos para ser proferida, diante de recursos e estratégias que protelam as decisões.

Essas alterações incluem a possibilidade de execução imediata da condenação quando o tribunal reconhece abuso do direito de recorrer; a revogação dos embargos infringentes e de nulidade; a extinção da figura do revisor; a vedação dos embargos de declaração de embargos de declaração; a simultaneidade do julgamento dos recursos especiais e extraordinários; novas regras para habeas corpus; e a possibilidade de execução provisória da pena após julgamento de mérito do caso por tribunal de apelação, conforme acontece em inúmeros países.

5

Celeridade nas ações de improbidade administrativa

 A medida propõe três alterações na Lei nº 8.429/92, que trata das sanções aplicáveis a agentes públicos que cometem atos de improbidade administrativa, para agilizar a tramitação de ações dessa natureza. Dentre as alterações estão a adoção de uma defesa inicial única (hoje ela é duplicada); a criação de varas, câmaras e turmas especializadas para julgar ações de improbidade administrativa e ações decorrentes da lei anticorrupção.

6

Reforma no sistema de prescrição penal

Um crime prescreve quando o julgamento final de um caso demora tanto tempo que a punição perde seu efeito. Nos crimes de colarinho branco, muitas vezes essa demora é utilizada como manobra de defesa, que interpõe recursos e outras medidas judiciais para retardar o andamento do processo e, assim, evitar a punição dos acusados.

A proposta consiste em promover alterações nos artigos do Código Penal referentes ao sistema prescricional, a fim de se evitar que decisões judiciais sejam postergadas e acarretem a prescrição. Também permite que a contagem do prazo da prescrição da pretensão executória comece a contar do trânsito em julgado (decisão de última instância, quando não cabe mais recurso) para todas as partes, e não apenas para a acusação, como é hoje. Além disso, são sugeridas alterações para se evitar que o prazo para prescrição continue correndo enquanto há pendências de julgamento de recursos especiais e extraordinários. Pretende-se, ainda, que as prescrições possam ser interrompidas por decisões posteriores à sentença e por recursos da acusação.

7

Ajustes nas nulidades penais

Esta medida propõe uma série de alterações no capítulo do Código de Processo Penal que trata de nulidades, com o objetivo de que a anulação e a exclusão da prova somente ocorram quando houver uma efetiva e real violação de direitos do réu. Busca-se evitar que o princípio da nulidade seja utilizado pela defesa para retardar ou comprometer o andamento do processo.

8

Responsabilização dos partidos políticos e criminalização do caixa dois

A medida pretende responsabilizar, de forma objetiva, os partidos políticos em relação a práticas corruptas, à criminalização da contabilidade paralela (caixa 2) e à criminalização eleitoral da lavagem de dinheiro produto de crimes, de fontes de recursos vedadas pela legislação eleitoral ou que não tenham sido contabilizados na forma exigida pela legislação.

9

Prisão preventiva para evitar a dissipação do dinheiro desviado

Propõe mudanças na lei para que o dinheiro ilícito seja rastreado mais rapidamente, facilitando tanto as investigações como o bloqueio de bens obtidos de forma ilegal. Também cria a hipótese de prisão extraordinária para permitir a identificação e a localização de dinheiro e/ou bens provenientes de crime, evitando que sejam utilizados para financiar a fuga ou a defesa do investigado/acusado.

10

Recuperação do lucro derivado do crime

Esta medida traz duas inovações legislativas que acabam com brechas na lei para evitar que o criminoso alcance vantagens indevidas. A primeira delas é a criação do confisco alargado, que permite o confisco dos valores existentes entre a diferença do patrimônio declarado e o adquirido comprovadamente de maneira ilegal (como os obtidos através de crimes contra a Administração Pública e do tráfico de drogas). A segunda inovação é a ação civil de extinção de domínio, que possibilita que a Justiça declare a perda de bens obtidos de forma ilícita, independentemente da responsabilização do autor do ato infracional.

* Fonte: http://www.mppr.mp.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=6193

Aproveite e compatilhe esta informação com os seus familiares e amigos que também desejam o fim da corrupção com dinheiro público no Brasil.

Se cada um fizer a sua parte nesta luta contra a corrupção, breve teremos um país muito melhor para se viver.

É por aí!…

Casciano Vidal

PS. Para falar com o autor: cascianovidal@gmail.com

VIVA SANTO ANTONIO!!!

Por casciano em Cidades, Comportamento, Cultura, Pessoas, Turismo | Deixe um comentário

* Crédito do Vídeo: Viva Vídeo.

Hoje é o dia de Santo Antonio, padroeiro de muitas cidades no Brasil, inclusive de Marcelino Vieira, aqui no Rio Grande do Norte, terra do meu pai, João Vidal Fernandes (em memória), casado com a minha mãe Almira Carlos Vidal (na foto o casal com a primeira filha, Tânia Vidal Nitrini).

FamíliaJoãoVidalAlmiraePrimogênitaTânia

* Crédito da Foto: Álbum de Família.

Santo Antonio também é conhecido como o Santo Casamenteiro e um dos mais adorados no mundo ocidental. Nos festejos juninos, agora neste mês de junho, adoramos e festejamos Santo Antonio (dia13), São João (dia 24) e São Pedro (dia 27), com muita alegria, dança, concursos de quadrilha, teatro, shows musicais, orações, novenas, missas e procissões, em todo Nordeste.

Meu avô Cassiano José Vidal, nascido em Brejo do Cruz, na Paraíba, fora contratado pelo meu bisavô, Rufino Fernandes, para montar, na sua Fazenda Vitória, em Marcelino Vieira, um engenho de cana que ele havia comprado na Inglaterra, por volta de 1910.

1a casa...

* Crédito da Foto: Casciano Vidal.

Cassiano, conheceu a minha avó, Maria Edith Fernandes, filha de Rufino Fernandes, na Fazenda Vitória. Namoraram, casaram e foram morar numa casa construída por ele, em 1914, com detalhes interessantes, tanto da construção civil, como da arquitetura, à exemplo dos arabescos da parte superior da fachada da casa. A última vez que fui à Marcelino Vieira, com minha irmã Soraia Carlos Vidal, a casa ainda existia, embora soubéssemos que um novo proprietário dela planejava derrubá-la para construir uma clínica médica no local, talvez mantendo a fachada. Não sei se isso aconteceu.

Meus avós paternos, o casal Cassiano José Vidal e Maria Edith Fernandes, ele era construtor de casas e ela professora, moraram alguns anos em Marcelino Vieira, mudando-se para Mossoró, onde faleceram.

Outros irmãos de João Vidal Fernandes, assim como ele, também nasceram em Marcelino Vieira: Tia Alzenita Vidal Fernandes, casada com Raimundo Fernandes (ambos em memória); Tia Zélia Vidal Fernandes, casada com Luiz Fernandes (ambos em memória); Tio Tarcílio Vidal Fernandes, casado com Letícia Martins (ambos em memória); Tia Naninha (Ana Vidal Fernandes) mora em Fortaleza, no Ceará, casada com Francisco das Chagas Queiróz (em memória); Tio José Vidal Fernandes (em memória); Tio Getúlio Vidal Fernandes (em memória), Tio Francisco Vidal Fernandes – Chicô (em memória) e Tia Maria Ester Vidal Fernandes, hoje morando em Fortaleza, no Ceará.

Durante quase toda a sua vida, João Vidal Fernandes seguia para Marcelino Vieira, no dia 13 de junho, para junto com muitos familiares e amigos, venerar o Santo Antonio Padroeiro.

2016-06-13-StoAntonio

* Crédito da Foto: Casciano Vidal.

Aproveito este Dia de Santo Antonio para lembrar com carinho, o meu pai João Vidal Fernandes.

É por aí!…

Casciano Vidal

PS. Para falar com o autor: cascianovidal@gmail.com

SÉRGIO MORO E OUTROS HERÓIS DA LAVAJATO

Por casciano em Pessoas, Política | Deixe um comentário

sergio-moro

* Crédito da Foto: G1.

De todas as grandes crises que o Brasil República enfrentou, a mais grave é esta atual. Crises políticas sempre existiram, mas esta é a primeira crise política associada a uma grave crise na economia, agravada pela falta de credibilidade dos governos e com o desmascaramento de muitos políticos, envolvidos em desvios de recursos públicos.

O Juiz Sérgio Moro está numa das pontas do processo, desde que assumiu a liderança do trabalho hercúleo, que procura combater a corrupção com dinheiro público no país, através da Operação LavaJato. Ela está mostrando ao país como empresários e políticos desonestos e ladrões de dinheiro público agem para sangrar os cofres públicos, através de contratos milionários e a distribuição de propinas para os que acobertam o roubo.

São muitos os heróis na Força Tarefa da Operação LavaJato.

Eles estão no Poder Judiciário Federal no Paraná (sede da operação), no Ministério Público Federal e na Polícia Federal.

 foto lava-jato

* Crédito da Foto: Divulgação.

Na linha de frente da investigação na primeira instância da Justiça Federal do Paraná, designados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, estão os seguintes procuradores: Deltan Martinazzo Dallagnol, Carlos Fernando dos Santos Lima, Orlando Martello Junior, Athayde Ribeiro Costa, Diogo Castor de Mattos, Roberson Henrique Pozzobon, Paulo Roberto Galvão, Júlio Noronha, Laura Tessler, Isabel Cristina Groba Vieira, Jerusa Burmann Viecili, Januário Paludo (integrou a equipe e agora atua como colaborador), Antônio Carlos Welter (integrou a equipe e agora atua como colaborador) e Andrey Borges de Mendonça (integrou a equipe e agora atua como colaborador).

Na Procuradoria Geral da República, trabalham membros do Ministério Público Federal e do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) para auxiliar o procurador-geral da República na análise dos processos em trâmite no Supremo Tribunal Federal.

Essa equipe é responsável por assessorar o PGR na investigação e acusação de deputados federais, senadores e outras autoridades. O grupo de trabalho atua em paralelo à força-tarefa, com os seguintes procuradores: Bruno Calabrich (PRR1), Douglas Fischer (Assessoria Criminal – PGR), Danilo Dias (Assessor Especial – Gabinete do PGR), Eduardo Pelella (Chefe de Gabinete do PGR) e Vladimir Aras (Secretaria de Cooperação Internacional – PGR).

Também trabalham no processo os procuradores Andrey Borges de Mendonça (PR/SP), Fábio Coimbra (PR/RS), Rodrigo Telles de Souza (PR/RN) e Daniel Resende Salgado (Secretaria de Pesquisa e Análise – SPEA/PGR), além dos promotores de justiça do MPDFT Sergio Fernandes e Wilton Queiroz.

A Operação LavaJato também tem uma força tarefa para atuar no Superior Tribunal de Justiça, com os seguintes sub-procuradores gerais da República: Francisco de Assis Vieira Sanseverino, Áurea Maria Etelvina Pierre, José Adonis Callou de Araújo Sá, Maria Hilda Masiaj Pinto e Mário José Gisi.

E pode acrescentar nessa lista, os delegados e agentes da Polícia Federal, designados para a operação.

Tarefa de gente grande e decente!

Esse povo merece o respeito, a atenção e as homenagens do povo brasileiro!

É por aí!…

Casciano Vidal

PS. Para falar com o autor: cascianovidal@gmail.com

FLOR DE BALI APRESENTA NOVO SHOW ROOM

Por casciano em Cidades, Comportamento, Economia, Pessoas | Deixe um comentário

 2016-06-07-PHOTO-00002060

* Crédito da Ilustração: Alexandra Flor.

Hoje Natal recebe um novo show room da loja Flor de Bali.

Conhecida e admirada pelos clientes, arquitetos e pessoas de bom gosto, a Flor de Bali abre hoje as portas de um novo e mais interessante endereço.

Fica na Rua Mipibu, 758, Petrópolis.

O novo show room foi cuidadosamente trabalhado em associação com uma das maiores e mais respeitadas curadorias de decoração do país, numa parceria perfeita Flor de Bali e ETHNIX.

Às 19hs os jovens Leandro Matias e Alexandra Flor, recebem familiares, amigos e clientes para dividir a alegria da beleza “desse projeto onde as histórias se misturam e os estilos se renovam”, de acordo com Leandro Matias.

Alexandra Flor reforça o convite: “Vem. Inspire-se! Uma nova experiência. Um novo conceito. A mesma personalidade.”

Vale a pena conhecer e se encantar!

É por aí!…

Casciano Vidal

PS. Para falar com o autor: cascianovidal@gmail.com