SILVÉRIO CONVIDA E A LUA NOVA ABENÇOA “NOITE DE HOMENAGENS E REENCONTROS”

Por casciano em Cultura, Pessoas | Deixe um comentário

     Se você quer participar de momentos mágicos, únicos, programe-se para ir até o Iate Clube de Natal, às margens do rio Potengi, hoje, a partir das 18hs. Lá você vai encontrar o médico gastroenterologista e gente do bem Silvério Soares de Sousa Neto, cercado de familiares e amigos, muitos amigos, do mundo político e social de Mossoró e de Natal.

copia-de-2016-11-29-photo-00000017

* Capa e projeto gráfico do livro é da Mariz Comunicação Integrada e a organização dos escritos de Rômulo Tavares.

     A Lua Nova, embora invisível, segundo esotéricos, sugestiona que você “faça a viagem que sempre sonhou”. É exatamente o que deseja Silvério Soares, amigo, bom companheiro, boêmio e médico por excelência na sua especialidade. Ele convida à todos, para uma “bela noite de homenagens e reencontros, em memória de Raimundo Soares de Sousa, ex-prefeito de Mossoró”, seu pai. Será uma viagem a memória dos amigos de Raimundo Soares, dos amigos e colegas de Silvério Soares, misturando Mossoró e Natal, num só sentimento.

     Silvério reúne os bons para autografar o seu mais recente livro “Pode entrar, a casa é sua”, onde relata histórias que mostram um pouco da biografia do ex-prefeito mossoroense.

raimundo-soares-de-sousa

* Foto: Internet.

     Pra que você saiba um pouco sobre o homenageado, reproduzimos a apresentação de Raimundo Soares de Sousa que está no livro:

     “Raimundo Soares de Sousa (1920-1996) é uma das personalidades mais curiosas e amadas da história mossoroense. Advogado brilhante, pai de uma numerosa família, político rebelde, boêmio incurável, Raimundo tomou umadecisão que marcou sua época: recusar a candidatura ao Governo do Estado, em uma eleição que seria praticamente vitoriosa. Como prefeito de Mossoró, na década de 60, fez uma administração memorável, incluindo a criação da Universidade Regional do Rio Grande do Norte, hoje UERN. Homem de espírito livre, humilde, hospitaleiro, erudito, sempre cercado de numerosos amigos e em flerte pernamente com amúsica, a poesia, a filosofia e a alegria de viver.

     A história de Raimundo Soares de Sousa, prefeito de Mossoró nos anos 60 e uma das personalidades mais queridas e lembradas de sua época, está aqui retratada por um dos seus mais fiéis e próximos admiradores: seu filho, o médico Silvério Soares de Sousa. O autor nos brinda com relatos de todas as fases vividas por seu pai. A infância travessa, os ideais da juventude, sua marcante e meteórica carreira política, as peripécias de sua incurável boemia, a mudança para o Rio de Janeiro, além de depoimentos emocionantes e reveladores de amigos de longa data. Uma leitura leve, convidativa, agradável, que extrairá risos e lágrimas, principalmente de quem conheceu ou lembra o “eterno Raimundo”.

     Pode entrar que a casa é sua e boa leitura!”

silverio-soares-de-sousa-neto

* Foto: Internet.

     Sobre o autor, também está lá, no livro:

    “Silvério Soares de Sousa Neto nasceu em Mossoró (1951), segundo filho de Raimundo Soares de Sousa e Iolanda Medeiros Soares de Sousa. Formou-se em Medicina pela UFRJ e, ao regressar a Natal em 1979, fundou e dirigiu o Serviço de Endoscopia do Hospital Walfredo Gurgel. Faz parte da Junta Médica do Ministério da Saúde e é autor de artigos médicos e de um capítulo no Livro Endoscopia Terapêutica da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva. Na área literária, escreveu o livreto “Mossoró e Paris: Nós também ganhamos a Copa 1998”, publicado na coleção Mossoroense. Atualmente, é sócio e fundador da Skopia Clínica, uma das mais atuantes de Natal na área de endoscopia digestiva. É casado com Maria José de Sousa (Maninha) e tem três filhos.”

     Será, inegavelmente, uma noite recheada de boas histórias, bons relacionamentos, gente feliz e de bem com a vida. Assim como é o autor do livro, Silvério Soares de Sousa Neto.

     É por aí!…

     Casciano Vidal

     Obs: Para falar com o autor: cascianovidal@gmail.com

ADELINO MARINHO E MERCATTO APRESENTAM JAMÓN IBÉRICO E JAMÓN SERRANO

Por casciano em Comportamento, Cultura, Economia, Pessoas | Deixe um comentário

Poucos e bons estão convidados pelo empresário Adelino Marinho, para uma degustação de alimentos elaborados com Jamón Ibérico e Jamón Serrano, nesta quarta-feira, dia 09/11/2016, das 18 às 21hs, na Padaria Mercatto.

marinho-mercatto-tribuna-do-norte

* Foto: Tribuna doNorte.

Detalhe importante: a degustação será apresentada pelo presidente do grupo Josep Lorens I Fils, o empreendedor Josep Ramón Llorens Requena, embaixador desses produtos espanhóis para o mundo inteiro.

prazeres da mesa_tendencias_jamon 60 meses

* Foto: Internet.

Detalhe mais importante: Quem estiver presente à degustação, vai poder respirar um pouco o ar da Espanha. A garantia disso, é do próprio presidente Ramón. Se os presuntos são embalados à vácuo, cada pacote traz também, um pouco do ar da Espanha, que se espalha quando se abre o pacote.

jamon-serrano-divulgacao

* Foto: Internet.

Os porcos negros da raça Ibérica, são descendentes dos javalis da Costa Sul do Mediterrâneo e se alimentam em centenárias azinheiras, de onde comem as bellotas, que soma-se as avelãs, para que cheguem aos 180 quilos, em três meses de ‘montanera’, o período de engorda.

Acumulam uma quantidade impressionante de gordura em seus pernis, mas é a tal gordura boa, que reduz o colesterol ruim (LDL) e aumenta o bom (HDL).

Depois da engorda, são abatidos e marcados à fogo, com a data, usada para garantir a qualidade do produto. Limpo, livre de unhas e pêlos, as peças são salgadas e permanecem na salmoura, em torno de 10 dias. São lavados e pendurados para secar, em ambiente especial, pelo período de um ano, com controle de temperatura e umidade.

Chega o período da maturação, que demora mais 48 meses e, finalmente, está pronto o presunto Ramón Ibérico ou o Ramón Serrano, apreciados em todo o mundo. São mais de 60 meses para a elaboração do produto, que, ao longo do processo, reduz o seu peso em aproximadamente 35%.

prazeres da mesa_tendencias_jamon 60 meses

* Foto: Internet.

O CORTE

Ideal que o corte do Ramón Ibérico ou do Ramón Serrano, seja feito por um mestre-jamoneiro. Ao se retirar a embalagem, deve-se furar 3 pontos do presunto, para conferir a qualidade. Coloque a peça do presunto no suporte. Use uma faca pequena para eliminar os resíduos da maturação, tipo bolor e secreções. Ao final, retire a camada de gordura da parte superior e depois, com uma faca maior, corte para servir, em fatias finas e delicadas.

Ideal servir com um bom vinho tinto.

É por aí!…

Casciano Vidal

Para falar com o autor: cascianovidal@gmail.com

 

OS ‘ANTIGOS CARNAVAIS’ DE NATAL

Por casciano em Cultura | Deixe um comentário

Quem conhece o historiador Gutenberg Costa sabe da sua inteligência, da sua competência e, pra continuar rimando, da sua paciência.

Quando pega um tema, sai caminhando, sem pressa, atrás de documentos com o objetivo de registrar a história.

É exatamente o que ele fez com mais um excelente presente que ele entrega hoje à Natal e aos curiosos leitores de livros históricos, com o seu mais recente trabalho “Antigos Carnavais”, que será autografado no final desta tarde, a partir das 18hs, na Capitania das Artes, sede da Funcarte, na subida da Junqueira Aires.

capa natigos carnavais 2016 final.indd

Veja o que diz o release distribuído sobre o livro:

No principio, era só o ‘mela – mela’ popular, foliões usando-se de tudo que dispunham para brincarem o então chamado ‘Entrudo’ – Cinza de carvão, goma, farinha, barro e muita água suja. Todo mundo que se atrevesse a passar perto da Igreja Matriz, no Centro Alto e redondezas da antiga Rua Grande, atual Praça André de Albuquerque, levava um banho. Estava então ‘batizado’. A brincadeira ocorria por três dias nos meses de fevereiro ou março. Os jornais ditos oposicionistas divulgavam essas primeiras manifestações populares carnavalescas, isso entre 1875 a 1900.

Depois, esses brincantes – foram se organizando e levando seus festejos para a alegre Rua da Palha, atual Rua Vigário Bartolomeu, ainda na Cidade Alta (1910/1920). Festeiros, boêmios, artistas e até políticos eram seus aguerridos frequentadores. Tempos mais tarde o carnaval vai ficando muito mais organizado e então desce para a larga e boemia Avenida Tavares de Lira, no bairro da ribeira (1923/ 1935). O carnaval supera crises e ultrapassa os apertos políticos e econômicos e chega de volta a Cidade Alta, na moderna Avenida Rio Branco e imediações do seu Grande Ponto (1936/1945). Dribla as violências policiais e até as severas censuras da ditadura Vargas…

Lendo-o, você vai conhecer tudo isso e muito mais! Até viver o que seus avós e bisavós viveram! Saber quem foram os nossos primeiros carnavalescos da cidade dos ‘Três Reis Magos’! Reis e Rainhas. Clubes e agremiações. Tudo cronologicamente entre 1875 e 1945 – final da Segunda Guerra Mundial. Fotos inéditas a partir dos anos 10… Os registros das festas paralelas oficiais e particulares. Os primeiros bailes festivos no velho Teatro Carlos Gomes… Tudo o que os antiguíssimos jornais registraram sobre as folias de rua. Ora seus cronistas reclamando ou elogiando os festejos momescos.

Este é o primeiro volume. Obra do inquieto pesquisador Gutenberg Costa, que pioneiramente nos trouxe cronologicamente às historias da parte alegre e pouco conhecida da cidade, que por muitas décadas até fora chamada por alguns historiadores de cidade – “Pacata”…

A referida obra é apresentada pelo historiador e escritor Claudio Galvão e muito bem recomendada nas suas duas orelhas, pelos pesquisadores e escritores Anchieta Fernandes e Claudionor Barbalho. Todos três confrades do autor no Instituto Histórico e Geográfico do RN. São quase 300 páginas, ilustradas com fotografias antigas, de personagens e agremiações envolvidas. Não percam o privilégio de ter em suas mãos e olhos, um verdadeiro e exclusivo trabalho de pesquisa, que pioneiramente trata com minuciosamente os nossos antigos e bons carnavais! E se trata de uma séria obra, que faltava na história da cidade do mestre Câmara Cascudo um dos maiores citados com valiosas informações.

“Chegou atrasada, mas em boa hora!”  – Diz, seu quixotesco autor e pesquisador, que a trazia guardada, por quase três décadas em seus arquivos/computador.

Publicado pela editora 8, com patrocínio cultural do (FIC) Fundo de Incentivo à Cultura, da Prefeitura de Natal e recursos do próprio autor. Este é apresentado pelo historiador e escritor Claudio Galvão, com comentários de suas orelhas, do também historiador e escritor Claudionor Barbalho e do pesquisador e escritor Anchieta Fernandes. Arte de capa e diagramação do designer visual Marcelo Sena.

Vale a pena participar, comprar o livro, pegar o autógrafo do autor e conferir as muitas estórias da ocasião.

É por aí!…

Casciano Vidal

É HORA DE PRESTIGIAR E APRENDER COM A BOA PROSA DE FLORENTINO VEREDA

Por casciano em Comportamento, Cultura, Pessoas | Deixe um comentário

Laurence Nóbrega 3

* Foto: Divulgação.

É hoje, logo mais às 18hs, no terceiro piso do shopping Midway Mall, na loja que hoje serve à troca de cupons, entre o Café São Braz e a loja d’O Boticário, que o empresário Laurence Nóbrega, senta no seu bureau de autógráfos e como quem está num confessionário católico, declara: “Confesso Que Escrevi”.

E, os presentes, como se padres fossem, individualmente, haverão de declarar: “Está perdoado meu filho, basta que autografe este exemplar pra mim”.

“Confesso Que Escrevi”, é o livro que reúne 63 crônicas, publicadas no decorrer dos últimos sete anos, na coluna do jornalista Woden Madruga, no jornal Tribuna do Norte, em forma de cartas, sob o pseudônimo de Florentino Vereda – botânico morador do Jalapão, que desenvolve pesquisa para o cultivo da mangaba (hancornia speciosa) e do araticum-cagão (anona cacans), em pleno cerrado brasileiro.

A velha técnica, ou velha bossa, ou timidez, ou qualquer outra coisa, seja o que for, de se publicar uma produção literária, com pseudônimo, funcionou com Laurence Nóbera. Muitos curiosos, durante muitos anos, procuravam saber quem seria aquele Florentino Vereda, o autor das belas cartas que Woden Madruga publicava.

“Pois bem, ruiu a máscara”, escreveu em seu blog o escritor François Silvestre, mostrando-se surpreso por Florentino habitar o corpo e a mente do amigo Laurence Nóbrega. “Esse fi duma égua vivia ironizando os amigos metidos a escritores, dizendo assim: “isso é coisa de vocês, intelectuais” […] “Está saindo da toca”[…]. A nota do blog terminou na contracapa do livro.

Surpresa geral com a qualidade do texto, a beleza estética das frases, a originalidade do palavreado usado por Laurence Nóbrega, através de Florentino Vereda, no seu livro de estréia no mundo das letras.

“Confesso Que Escrevi”, de Florentino Vereda, alter ego de Laurence Nóbrega, tem 229 páginas, edição da Z Editora e foi impresso na gráfica RN Econômico, com projeto gráfico de Vitor Marinho. Preço de lançamento: apenas R$ 40,00.

Vale a pena ir, comprar, pedir o autógrafo e se deliciar com a leitura.

É por aí!…

Casciano Vidal, com João Bezerra de Medeiros Filho 

PS. Para falar com o autor: cascianovidal@gmail.com

EU APOIO E QUERO: 10 MEDIDAS CONTRA A CORRUPÇÃO!

Por casciano em Política | Deixe um comentário

Conheça as propostas do Ministério Público Federal apoiadas pelos Ministérios Públicos de todo o Brasil, para combater e reduzir a corrupção de dinheiro público no Brasil.

10 Medidas

* Foto: Divulgação.

O projeto de lei, que recebe apoio popular, com as 10 Medidas já está na Câmara dos Deputados e, finalmente, recebeu a assinatura do presidente em exercício da Casa, Waldir Maranhão, para começar a tramitar.

Resultado da campanha nas mídias digitais com a hastag #assinaMaranhão.

Veja quais são as propostas:

1

Prevenção à corrupção, transparência e proteção à fonte de informação

Esta medida inclui a destinação de parte dos recursos de publicidade dos entes da Administração Pública (entre 10% e 20%) a programas de marketing voltados a estabelecer uma cultura de intolerância à corrupção e a conscientizar a população sobre os danos sociais e individuais causados por ela. Além disso, propõe o treinamento reiterado de todos os funcionários públicos em posturas e procedimentos contra a corrupção, o estabelecimento de códigos de ética claros e a realização de programas de conscientização e pesquisas em escolas e universidades. Para estimular denúncias de casos de corrupção, pretende-se garantir sigilo da testemunha. Por fim, propõe-se ainda, mecanismos que  garantam a celeridade dos processos, sempre que seu trâmite demorar mais do que a duração razoável.

2

Criminalização do enriquecimento ilícito de agentes públicos

A proposta torna crime o enriquecimento ilícito de agentes públicos, com previsão de pena de prisão variando entre três e oito anos. A medida pretende garantir que o agente público não fique impune mesmo quando não for possível descobrir ou comprovar quais foram os atos específicos de  corrupção praticados por ele. Ou seja, ainda que não tenha sido possível comprovar o crime de corrupção na origem, o fato de o agente público ter adquirido considerável patrimônio, absolutamente incompatível com seus rendimentos, poderá acarretar a responsabilização, pela evidência do enriquecimento ilícito.

3

 Aumento das penas e crime hediondo para corrupção de altos valores

Prevê o aumento de pena para crimes de colarinho branco conforme o valor do dinheiro desviado. Assim, quanto maior o dano causado ao patrimônio público, maior será a condenação, que pode variar de 12 até 25 anos de prisão, quando o montante for superior a R$ 8 milhões. A ampliação da pena objetiva coibir a prática da corrupção, bem como evitar a prescrição dos crimes desta natureza. Além disso, atribui aos crimes de corrupção peso equivalente aos crimes praticados contra a vida, pois a corrupção mata ao desviar recursos públicos que deveriam garantir direitos essenciais como saúde, educação, saneamento básico e segurança.

4

Aumento da eficiência e da justiça dos recursos no processo penal

São propostas 11 alterações pontuais no Código de Processo Penal (CPP) e uma emenda constitucional, a fim de dar celeridade à tramitação de recursos em casos do chamado “crime do colarinho branco”, sem prejuízo do direito de defesa do réu. Atualmente, brechas na lei permitem que a sentença final desse tipo de crime demore mais de 15 anos para ser proferida, diante de recursos e estratégias que protelam as decisões.

Essas alterações incluem a possibilidade de execução imediata da condenação quando o tribunal reconhece abuso do direito de recorrer; a revogação dos embargos infringentes e de nulidade; a extinção da figura do revisor; a vedação dos embargos de declaração de embargos de declaração; a simultaneidade do julgamento dos recursos especiais e extraordinários; novas regras para habeas corpus; e a possibilidade de execução provisória da pena após julgamento de mérito do caso por tribunal de apelação, conforme acontece em inúmeros países.

5

Celeridade nas ações de improbidade administrativa

 A medida propõe três alterações na Lei nº 8.429/92, que trata das sanções aplicáveis a agentes públicos que cometem atos de improbidade administrativa, para agilizar a tramitação de ações dessa natureza. Dentre as alterações estão a adoção de uma defesa inicial única (hoje ela é duplicada); a criação de varas, câmaras e turmas especializadas para julgar ações de improbidade administrativa e ações decorrentes da lei anticorrupção.

6

Reforma no sistema de prescrição penal

Um crime prescreve quando o julgamento final de um caso demora tanto tempo que a punição perde seu efeito. Nos crimes de colarinho branco, muitas vezes essa demora é utilizada como manobra de defesa, que interpõe recursos e outras medidas judiciais para retardar o andamento do processo e, assim, evitar a punição dos acusados.

A proposta consiste em promover alterações nos artigos do Código Penal referentes ao sistema prescricional, a fim de se evitar que decisões judiciais sejam postergadas e acarretem a prescrição. Também permite que a contagem do prazo da prescrição da pretensão executória comece a contar do trânsito em julgado (decisão de última instância, quando não cabe mais recurso) para todas as partes, e não apenas para a acusação, como é hoje. Além disso, são sugeridas alterações para se evitar que o prazo para prescrição continue correndo enquanto há pendências de julgamento de recursos especiais e extraordinários. Pretende-se, ainda, que as prescrições possam ser interrompidas por decisões posteriores à sentença e por recursos da acusação.

7

Ajustes nas nulidades penais

Esta medida propõe uma série de alterações no capítulo do Código de Processo Penal que trata de nulidades, com o objetivo de que a anulação e a exclusão da prova somente ocorram quando houver uma efetiva e real violação de direitos do réu. Busca-se evitar que o princípio da nulidade seja utilizado pela defesa para retardar ou comprometer o andamento do processo.

8

Responsabilização dos partidos políticos e criminalização do caixa dois

A medida pretende responsabilizar, de forma objetiva, os partidos políticos em relação a práticas corruptas, à criminalização da contabilidade paralela (caixa 2) e à criminalização eleitoral da lavagem de dinheiro produto de crimes, de fontes de recursos vedadas pela legislação eleitoral ou que não tenham sido contabilizados na forma exigida pela legislação.

9

Prisão preventiva para evitar a dissipação do dinheiro desviado

Propõe mudanças na lei para que o dinheiro ilícito seja rastreado mais rapidamente, facilitando tanto as investigações como o bloqueio de bens obtidos de forma ilegal. Também cria a hipótese de prisão extraordinária para permitir a identificação e a localização de dinheiro e/ou bens provenientes de crime, evitando que sejam utilizados para financiar a fuga ou a defesa do investigado/acusado.

10

Recuperação do lucro derivado do crime

Esta medida traz duas inovações legislativas que acabam com brechas na lei para evitar que o criminoso alcance vantagens indevidas. A primeira delas é a criação do confisco alargado, que permite o confisco dos valores existentes entre a diferença do patrimônio declarado e o adquirido comprovadamente de maneira ilegal (como os obtidos através de crimes contra a Administração Pública e do tráfico de drogas). A segunda inovação é a ação civil de extinção de domínio, que possibilita que a Justiça declare a perda de bens obtidos de forma ilícita, independentemente da responsabilização do autor do ato infracional.

* Fonte: http://www.mppr.mp.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=6193

Aproveite e compatilhe esta informação com os seus familiares e amigos que também desejam o fim da corrupção com dinheiro público no Brasil.

Se cada um fizer a sua parte nesta luta contra a corrupção, breve teremos um país muito melhor para se viver.

É por aí!…

Casciano Vidal

PS. Para falar com o autor: cascianovidal@gmail.com