CONSTRUÇÃO DA REDE CEGONHA AVANÇA NO RIO GRANDE DO NORTE

Posted by casciano in Comportamento | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Nesta terça-feira (08), durante a reunião mensal do Comitê Estadual de Mortalidade Materna e Fórum Perinatal, foi apresentada a situação atual da Rede Cegonha no Rio Grande do Norte.

O momento é de elaboração dos planos municipais que apresentam um levantamento da situação populacional de cada município, com identificação do número de mulheres em idade fértil, número de nascidos vivos e as condições atuais da situação física e financeira, no que se refere ao atendimento materno-infantil.

Os Planos de Ação regional e municipal da Rede Cegonha, são os documentos orientadores para a execução das fases de implementação da rede, assim como para o repasse dos recursos, o monitoramento e a avaliação da implementação da Rede Cegonha.

Dos 167 municípios do estado, apenas 40 ainda não entregaram seu plano municipal.

A expectativa da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) é de que até o final do mês de dezembro o Desenho da Rede Cegonha no Estado esteja pronto.

Nesta quarta-feira (09) o Grupo Condutor Estadual da Rede Cegonha se reúne na Sesap para que a consolidação dos planos municipais ganhe maior agilidade.

A fase final da implantação da Rede Cegonha no RN está relacionada com a Certificação – concedida ao estado, por parte do Ministério da Saúde, – para posterior liberação de recursos federais.

Durante a reunião do Comitê Estadual de Mortalidade Materna também foi apresentado o caso de sucesso do hospital universitário Ana Bezerra, em Santa Cruz.

O hospital realiza um acolhimento humanizado, com equipe multiprofissional, com a presença de enfermeiros obstetras e pediatras na sala de parto, estímulo ao contato mãe-bebê e consulta de retorno no 5º dia pós-parto.

A perspectiva é de que o hospital, que realiza cerca de 200 partos por mês e atende a 10 municípios da Região do Trairi, possa integrar a Rede Cegonha, inclusive com o incremento de UTI Neonatal.

Texto: Kelly Barros.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *