FIM DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DEVE SER CONSTRUÍDO EM PARCERIA COM APOSENTADOS

Posted by casciano in Política | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

O Ministério da Previdência Social, sozinho, não vai conseguir encontrar uma saída que possibilite a extinção do fator previdenciário.

A construção dessa alternativa tem que ser elaborada em parceria com as entidades representativas dos aposentados e as centrais sindicais.

A constatação foi feita na manhã desta terça-feira (11) pelo ministro Garibaldi Alves Filho durante sessão especial da Câmara dos Deputados em homenagem aos 26 anos da Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas (Cobap).

“Precisamos encontrar uma alternativa que permita o fim do fator previdenciário sem que isso signifique apenas trocar seis por meia dúzia. Temos que construir uma saída que signifique um avanço verdadeiro. O fator foi criado para prolongar a permanência do trabalhador no mercado de trabalho. Porém, ele não cumpriu essa expectativa”, afirmou Garibaldi Alves Filho.

Os ministérios da Previdência, Fazenda e Planejamento estão construindo, junto com a Casa Civil, uma alternativa ao fator previdenciário para apresentar à Cobap e às centrais sindicais.

Garibaldi Alves informou aos participantes da homenagem prestada no Plenário da Câmara que a intenção do governo é intensificar as reuniões na busca de um consenso sobre o assunto.

O ministro declarou ainda que apenas acabar com o fator é inviável, já que – de 1999 para cá – o mecanismo gerou para o governo uma receita de R$ 31 bilhões.

O fim do fator previdenciário e a definição de um reajuste, para 2012, acima da inflação das aposentadorias e pensões superiores ao valor do salário mínimo foram as duas principais reivindicações que a COBAP levou para apresentar durante a sessão de homenagem ao seu aniversário.

O ministro da Previdência disse ser favorável à criação de uma política permanente que garanta reajustes reais para aposentados e pensionistas.

Os aposentados estão pedindo um reajuste de pelo menos 80% do PIB mais a inflação.

Texto: Everton Dantas. Foto: Nicolas Gomes/MPS.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *