MPF/RN DENUNCIA ALEMÃO POR TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS

Posted by casciano in Notas | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte denunciou à Justiça o alemão Georg Bartel por transporte ilegal de drogas.

Ele foi flagrado no Aeroporto Augusto Severo por agentes da Polícia Federal enquanto tentava embarcar 5,4 kg de cocaína em um voo com destino a Bruxelas (Bélgica).

A substância estava embutida no forro da mala, tendo sido detectada pelo operador de raio X.

Durante os depoimentos, Georg disse ter comprado a mala no Peru, passando depois à afirmação de que teria recebido a bagagem de terceiros, alegando, contudo, não saber que nela havia droga embutida.

Argumentando não saber o nome da pessoa que lhe entregou a mala, contou que quando chegasse na Europa alguém entraria em contato com ele para pegar a bagagem e pagar pelo transporte.

O MPF sustenta que é falsa a informação de que o alemão não sabia que transportava droga, já que em seu poder foi encontrada nota fiscal emitida por empresa com sede em Lima, Peru, referente à aquisição de material utilizado para preparação e/ou embalagem da droga.

Com ele também foram encontrados comprovantes do recebimento de moeda estrangeira datados de 19/09/2011, dia em que ocorreu o flagrante pelos agentes da PF.

Georg já foi preso e processado na Alemanha por uso de drogas, além de ter sido preso e processado na Rússia.

Atualmente ele se encontra detido na carceragem da Superintendência Regional da Polícia Federal no RN.

Importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar é crime com pena prevista de reclusão de cinco a 15 anos e pagamento de 500 a 1.500 dias-multa.

No caso do alemão, a pena pode ser aumentada de um sexto a dois terços em razão da transnacionalidade do delito.

Texto apócrifo, atribuída à Assessoria de Comunicação Procuradoria da República no RN.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *