NA CIENTEC, PARTICIPE DO JOGO TRILHA URBANA DA CIDADANIA

Posted by casciano in Educação | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Curiosidade que está atraindo visitantes da Cientec, que se realiza na Praça do Campus da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN:

É o jogo Trilha Urbana da Cidadania, onde o visitante poderá participar e até ganhar prêmios.

Veja a explicação acadêmica do trabalho – Modalidade: Stand / Título do trabalho: TRILHA URBANA DA CIDADANIA / Curso Gestão de Políticas Públicas / Professores Coordenadores: Soraia Maria do Socorro Carlos Vidal e Lindijane de Souza Bento Almeida / Autores: Alinne Priscila Vidal Cortês / Brena do Nascimento Capistrano / Cassio Felipe Alves Tavares / Joanna de Oliveira Guerra / Lucas Costa Freire Luzardo / Luiz Felipe de Oliveira Silva / Manuelle de Amorim Souza Câmara / Nerilena Pessoa Monteiro / Paula Michelle Linhares Floripes / Priscila Ferreira da Cunha / Raquel Maria da Costa Silveira / Soraya Leana Cortez Jacinto da Cunha / Victória Sant’ana de Meiroz Grilo.

SOBRE A TRILHA URBANA DA CIDADANIA: Trata-se de aplicar um jogo com vinte perguntas (trilha imaginária) que tem como premiação o aumento do conhecimento a respeito de três canais efetivos de participação popular: os Planos Diretores, os Conselhos Gestores de Políticas Públicas e o Orçamento Participativo.

É oportuno ressaltar que esses instrumentos colocam novos agentes sociais no debate sobre planejamento e políticas públicas, fazendo com que as organizações e segmentos da sociedade civil desempenhem um novo papel ativo na representação política, contemplando processos de planejamento estratégico e participativo.

Na Trilha Urbana da Cidadania a interação com o público se realizará ao longo de 20 pontos, cada um deles contendo pergunta relacionada à participação cidadã no processo de planejamento e gestão urbana, a partir da experiência dos dez anos de “Estatuto da Cidade”.

Cada resposta correta dará direito ao visitante seguir na trilha; nos casos de respostas erradas ou quando o visitante não responder à pergunta feita, o grupo fará uma exposição da resposta correta.

Os registros das visitas e resultados do jogo serão sistematizados e publicados posteriormente.

A ideia surgiu da participação das professoras coordenadoras da trilha, Soraia Vidal e Lindiijane Almeida, em pesquisas desenvolvidas no Observatório das Metrópoles – INCT, Núcleo Natal, em duas linhas de pesquisas — Linha III – Governança Urbana, Cidadania e Gestão das Metrópoles, cuja coordenação nacional é da Chefe do Departamento de Políticas Públicas da UFRN, a professora Maria do Livramento Clementino, e professora da USP Raquel Rolnik; e a linha IV – Monitoramento da realidade metropolitana e desenvolvimento institucional, Alves Santos Junior – IPPUR/UFRJ e Evanildo Barbosa – FASE Nacional.

Ao mesmo tempo também foram considerados os conteúdos das disciplinas Gestão Municipal e Metropolitana e Estado e Sociedade, ministradas no Curso de Graduação em Gestão de Políticas Públicas.

A utilização de instrumentos participativos na gestão municipal opera, na atual realidade, mudanças que influenciam o conteúdo, as formas de decisão e o exercício da cidadania.

A Lei Nº 10.257 (10 de julho de 2001),que instituiu o Estatuto da Cidade, regulamentando os artigos 182 e 183 da Constituição Federal de 1988, propiciou novas experiências participativas a partir de uma sendo coordenadores nacionais: Orlando Alves Santos Junior – IPPUR/UFRJ e Evanildo Barbosa – FASE Nacional.

Ao mesmo tempo também foram considerados os conteúdos das disciplinas Gestão Municipal e Metropolitana e Estado e Sociedade, ministradas no Curso de Graduação em Gestão de Políticas Públicas.

A utilização de instrumentos participativos na gestão municipal opera, na atual realidade, mudanças que influenciam o conteúdo, as formas de decisão e o exercício da cidadania.

A Lei Nº 10.257 (10 de julho de 2001),que instituiu o Estatuto da Cidade, regulamentando os artigos 182 e 183 da Constituição Federal de 1988, propiciou novas experiências participativas a partir de uma série de instrumentos com vistas ao desenvolvimento urbano, destacando-se o Plano Diretor como o principal entre eles.

Além disso, atribuiu aos municípios a implementação de planos e políticas públicas participativas, favorecendo uma nova cidadania e uma nova relação entre o Estado e a Sociedade.

Durante os dez anos de vigência do Estatuto da Cidade, em Natal, a exemplo de outras cidades brasileiras, observam-se algumas práticas pontuais favoráveis ao exercício da cidadania no processo de planejamento e gestão urbana, cuja reprodução é desejada aos diferentes grupos sociais.

Sabemos, no entanto, que a prática de participação política ainda está restrita à escolha de candidatos em períodos eleitorais, e a trilha contribui para uma prática participativa diferenciada.

Texto: Enviado pela Professora Soraia Maria do Socorro Carlos Vidal.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *