NOTA TÉNICA PRA SE COMBATER MELHOR A DENGUE

Posted by casciano in Comportamento | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Sesap faz recomendações aos municípios no combate a dengue.

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) divulgou, nesta quarta-feira (25), uma Nota Técnica com recomendações às secretarias municipais de saúde para ajudar no planejamento de ações de combate a dengue.

Em resumo, a nota técnica(em anexo) define 17 recomendações que devem ser seguidas pelos municípios, no que se refere ao controle vetorial, eliminação de criadouros, capacitação de agentes comunitários de saúde, identificação de áreas de transmissão, monitoramento viral, com a notificação de casos suspeitos, além de estabelecer protocolos de atendimento de acordo com os manuais do Ministério da Saúde.

O documento foi produzido pelas subcoordenadorias de vigilância epidemiológica, vigilância ambiental e ações de saúde da Sesap e tem o objetivo de ajudar a evitar o surgimento de epidemias e óbitos por dengue no estado.

Leia o teor da nota:

NOTA TÉCNICA No 02/2012 SUVIGE/SUVAM/SUAS/CPS/SESAP-RN

Assunto: Recomendações Técnicas para as Secretarias Municipais de Saúde, nas ações de Controle do Dengue com o objetivo de evitar epidemias no ano em curso.

Nos últimos anos tem sido observado um padrão sazonal de aumento da incidência da dengue no Brasil e também no Rio Grande do Norte, coincidente com o verão, devido à ocorrência de chuvas e ao aumento da temperatura nessa estação. O maior número de casos se concentra geralmente nas zonas urbanas, onde é maior a quantidade de criadouros resultantes da ação do ser humano. Entretanto, a doença pode ocorrer em qualquer localidade, desde que exista população humana suscetível, presença do vetor e o vírus seja introduzido. A circulação comprovada dos sorotipos DENV1; DENV2; DENV3 e DENV4, no Rio Grande do Norte e uma taxa de letalidade de 4,7 % no ano de 2011 demonstra o quanto o dengue é um grave problema de saúde pública no Estado;

As Subcoordenadorias de Vigilância Epidemiológica, Vigilância Ambiental e Ações de Saúde vêm recomendar medidas a serem implantadas e/ou implementadas imediatamente, pelas Secretarias Municipais de Saúde, com o objetivo de evitar epidemias, gravidade e/ou óbitos por dengue:

a) Ter iniciado as atividades de Controle Vetorial, ou seja, primeiro ciclo de 2012 até no máximo dia 05/01/2012;

Assunto: Recomendações Técnicas para as Secretarias Municipais de Saúde, nas ações de Controle do Dengue com o objetivo de evitar epidemias no ano em curso.

1b) Os municípios prioritários, que ainda não estão realizando LIRAa na rotina, deverão impreterivelmente fazer atualização do Reconhecimento Geográfico nos meses de janeiro e fevereiro e, a partir de março, implantar o LIRAa na rotina. No mês de janeiro, deverão realizar LIA seguindo as orientações da página 73 das Diretrizes Nacionais para Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue.

c) Os imóveis que possuem cisternas externas para coleta e armazenamento de águas pluviais deverão manter todas as aberturas vedadas com tela que não permitam passagem de mosquitos e só tirar água com o sistema de bombeamento, pois do contrário este reservatório de água transformar-se-á num criadouro potencial para o Aedes aegypti, mosquito transmissor do dengue. As inadequações das cisternas terão que serem reclamadas aos responsáveis pela construção das mesmas, sendo de responsabilidade dos mesmos a solução definitiva dos problemas.

d)    Mobilização da sociedade e servidores para eliminação dos criadouros preferenciais do Aedes aegypti;

e)    Realizar 6 (seis) ciclos de tratamento de ações de controle vetorial e no mínimo 4 (quatro) LIRAs como forma de garantir diagnóstico e planejamento das ações com redução e/ou eliminação dos riscos de transmissão de dengue.

f) Coletar 100% de sorologia dos primeiros casos de cada bairro e/ou localidade e, após detecção de sorologias positivas, realizar o monitoramento da doença, coletando 1 (uma) amostra para cada 10 sintomáticos da mesma localidade e/ou bairro.

g) Realizar o monitoramento viral de forma a garantir oportunamente o conhecimento do sorotipo circulante, seguindo as orientações do manual do LACEN (Laboratório Central).

h) Priorizar nas reuniões das CIR do primeiro semestre a avaliação e adoção de medidas impactantes na rede de atenção a saúde.

i) Contratar e/ou designar 01 técnico de Nível Superior capacitado e com dedicação exclusiva para coordenar a área de Vigilância Epidemiológica, devendo apoiar e capacitar em serviço os demais técnicos da rede, garantindo ações contínuas, sistemáticas e oportunas.

2

j)     Os municípios de que ainda não tem cobertura de 100% dos agentes comunitários de saúde, devem abrir edital de seleção e/ou concurso público, capacitando-os e ingressando- os no prazo máximo de 90 dias como forma de minimizar os efeitos dos vazios sanitários;

k) Disponibilizar para todos os profissionais de saúde do município a portaria GM/MS 104 de 25 de janeiro de 2011, garantindo os fluxos, notificações e investigações segundo as normas técnicas.

l) Realizar reuniões com todo o corpo técnico do município e estabelecer protocolos de atendimento e fluxo de referencia para os casos de pacientes com dengue, SCD e FHD, conforme normas disponibilizadas nos manuais do MS.

m) Detectar precocemente os casos, visando promover tratamento adequado e oportuno e reduzir a morbidade e, consequentemente, evitar o óbito.

n) Detectar precocemente o aumento de ocorrência da doença, para adoção de medidas de controle, evitando que processos epidêmicos se instalem.

o)    Realizar investigação para identificar a área de transmissão e orientar ações integradas de bloqueio e controle vetorial.

p)    Acompanhar a curva epidêmica, identificando área de maior ocorrência de casos e grupos mais acometidos, visando controlar a transmissão em curso.

q)    Realizar investigação de óbitos suspeitos, visando identificar possíveis determinantes. Natal, 24 de janeiro de 2012.

Assinam: Juliana Bruna de Araújo – Subcoordenadora de Vig. Epidemiológica / Iraci Nestor de Souza – Subcoordenadora de Vig. Ambiental / Ingrid Juliana de Queiroz e Silva – Subcoordenadora das Ações de Saúde.

Texto: Kelly Barros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *