PEDRO GUILHERME CAVALCANTI ALERTA PARA CUIDADOS COM INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS

Posted by casciano in Comportamento | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Atenção redobrada com as infecções respiratórias na volta às aulas.

As crianças menores são as mais afetadas, pois ainda não possuem imunidade garantida a certas doenças.

O início das aulas é sempre uma época de muitas descobertas para as crianças: novos aprendizados, a rotina de convívio diário com um ambiente diferente do familiar e o momento de fazer novas amizades.

Porém, a possibilidade desse contato intenso com locais de maior aglomeração social pode levar também a um aumento dos casos de infecções respiratórias entre os pequenos e uma conseqüente queda no rendimento escolar.

As mais comuns são gripes, resfriados, rinossinusites e faringoamigdalites e as crianças menores são as mais vulneráveis, já que ainda não possuem a imunidade garantida a certos microorganismos.

Uma alimentação saudável, unida à prática de esportes e visitas regulares ao pediatra, são alguns dos cuidados que os pais devem ficar atentos para garantir a saúde de seus filhos.

Outra medida para prevenir a disseminação de infecções em creches e escolas é evitar levar a criança febril para a aula e procurar o médico o mais rápido possível, no surgimento de incômodos.

Entre professores e instituições de ensino, a atenção deve ser em relação à manutenção constante e regulagem ideal de aparelhos de ar condicionado e à oferta de ambientes limpos e ventilados, além de orientações sobre a higienização constante de mãos pelos alunos.

O otorrinolaringologista Pedro Guilherme Cavalcanti dá mais dicas sobre como evitar infecções respiratórias no começo do ano letivo.

Pergunta
- O que pode ser feito na própria rotina da criança para fortalecer a imunidade e evitar esses possíveis quadros de infecções na volta às aulas?

Pedro Guilherme Ccavalcanti – A imunidade deve ser sempre fortalecida através de cuidados em seus hábitos diários. Em especial, com uma dieta saudável e bem balanceada;  ingestão de vitaminas principalmente a vitamina C; uma rotina ativa com a prática de esportes, de preferência ao ar livre; a manutenção do calendário vacinal atualizado e um convívio sócio-familiar equilibrado. Com esses cuidados, dificilmente, a criança necessitará utilizar medicamentos ou outros cuidados médicos para melhorar o grau de imunidade.

P
- E que vacinas precisão estar em dia para evitar incômodos nesse período? 

PGC– Todas as vacinas de forma geral melhoram a imunidade infantil, sendo de extrema importância que nenhuma esteja atrasada. E nos casos de infecções aéreas, os microorganismos Pneumococos, Haemophilus e Influenza Vírus estão entre os principais causadores e suas vacinas já estão presentes no calendário de vacinas atual.

P – Em relação ao ambiente escolar, o que pode ser feito para evitar que ele contribua para o aumento de casos de infecções entre as crianças?         

PGC – As escolas e creches devem disponibilizar sempre ambientes limpos e arejados e com paredes sem infiltrações. A revisão constante do filtro de poeira do ar condicionado também é um ponto de importância extrema. Mas outros cuidados devem ser realizados, como a manutenção de uma temperatura moderada, sem exageros de baixa temperatura, como também deixar a sala aberta para entrada do ar ambiente e de luz solar, pelo menos uma vez por dia. Além disso, as escolas devem orientar os alunos sobre a importância da higienização constante das mãos e contactar os pais para manter a criança em casa, quando perceberem sintomas mais avançados e que podem caracterizar uma infecção, como febre, secreção e moleza no corpo. 

Texto: Julianne Barreto e Anna Karinna Castro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *