PICS TRAZEM TERAPIAS ALTERNATIVAS PARA A SAÚDE PÚBLICA

Posted by casciano in Comportamento | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Oferecer aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) terapias como o uso de plantas, agulhas de acupuntura, gotinhas da homeopatia e até água mineral, através da utilização de métodos como a Acupuntura, Fitoterapia, Homeopatia e Medicina Antroposófica (que trata o corpo físico e o espiritual como um só) na cura e combate a doenças, foi uma política implementada no Rio Grande do Norte a partir deste ano, com a sanção da Portaria Nº 274/GS, de 27 de junho de 2011.

A portaria, que coloca o Rio Grande do Norte como o 5º Estado brasileiro a aprovar a Política Estadual de Práticas Integrativas e Complementares (PEPIC) do Sistema Único de Saúde, considera como Práticas Integrativas Complementares: a Medicina Tradicional Chinesa – Acupuntura; Homeopatia; Plantas Medicinais e Fitoterapia; Termalismo – Crenoterapia; Medicina Antroposófica; Práticas Corporais Transdisciplinares; Vivências Lúdicas Integrativas.

O secretário de Estado da Saúde Pública, Domício Arruda Câmara, disse que recebe com a maior simpatia, no âmbito da assistência básica à saúde, oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a utilização de métodos e práticas alternativas.

“A nossa Constituinte não conseguiu incluir as práticas integrativas e complementares. Em nosso país, a população vê a saúde, o governo, de forma paternal, acha que ele tem recursos suficientes para tratar de tudo. Mas a população não se trata, pessoalmente.”, afirmou Domício Arruda.

De acordo com a coordenadora das PICS , a nutricionista Mychele Kytchia, com base na própria portaria que as instituiu, “As Práticas Integrativas Complementares tem como princípio básico a abordagem de atenção integral à saúde dos indivíduos, pautada no cuidado humanescente. Reserva, na sua prática, um espaço de distinção à relação com o usuário, pois seu exercício estimula a autonomia, a observação de si mesmo e de suas relações com os ambientes físicos, político, cultural e social, possibilitando a elaboração de novas atitudes”, disse a nutricionista.

No último levantamento feito pelo Ministério da Saúde, há três anos, informou-se que de 2007 para 2008 a utilização das PIC’s no SUS cresceu de forma significativa.

O número de procedimentos em acupuntura, por exemplo, aumentou 122% e práticas corporais, como tai chi chuan, cresceu 358%.

Aqui no Estado, o programa já possui uma sala para atendimento no sétimo andar do prédio da Sesap, na avenida Deodoro, Cidade Alta, atendendo pelo telefone 3232-9104 e o endereço eletrônico pic-rn@rn.gov.br.

Texto: Kelly Barros.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *