PROJETO MÃE-BEBÊ INCENTIVA A ‘TERAPIA DE BRINCAR’

Posted by casciano in Comportamento | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

O projeto Mãe-bebê, elaborado e desenvolvido pelo serviço de Psicologia do Centro de Reabilitação Infantil (CRI), está no segundo mês de sua implantação dando apoio psicológico às mães de bebês de 0 a 2 anos atendidos no Centro.

Em uma sala ampla, repleta de brinquedos, em ambiente confortável e acolhedor, é exercitada a chamada “terapia do brincar”, que utiliza brinquedos, colchões, almofadas e, acima de tudo, carinho e compreensão.

O atendimento é feito em grupo, quinzenalmente, sempre às quartas-feiras pela manhã.

A psicóloga Almira Navarro explica que o objetivo é trabalhar o vínculo afetivo das mães de crianças com deficiência através da interação mãe-bebê em um momento de descontração.

“Algumas mães têm dificuldades de comunicação com seus bebês quando estes possuem alguma limitação e passam por sofrimentos como cirurgias e internações, daí a importância de uma vivência positiva como esta para que elas passem a enxergar o bebê e não apenas a doença”.

Ela explica que, apesar de estarem disponíveis para conversas tanto em grupo como individuais, a intenção maior não é apenas dar conselhos.

“Estamos aqui para sermos companheiras, para dar suporte, ou seja, para suportar a dor delas, e esse suporte pode vir através de uma conversa individual ou simplesmente da troca de experiências entre as próprias mães e do contato delas com os filhos em um momento de descontração”.

Jailma Menezes, mãe de Pedro, de cinco meses de idade, atendida pelo CRI desde o nascimento do bebê, aproveita o momento que ela afirma ser muito importante para o desenvolvimento do filho.

“Aqui no CRI faço acompanhamento com fisioterapeuta, fonoaudióloga e pediatra; nunca falto ao dia do Mãe-bebê porque sei que é importante para mim e para o meu filho”.

Atualmente o projeto tem cerca de 30 bebês atendidos e o serviço é acessível a todas as crianças atendidas no CRI na faixa etária de 0 a 2 anos de idade.

Texto: Kelly Barros.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *