RICARDO BENNUN, ANÁLIA LANGSAN, RENATO LAGE E LEONARDO SPENCER DISCUTEM FISSURAS LABIOPALATINAS

Posted by casciano in Comportamento | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

No 2º Simpósio Norte-Nordeste de Fissuras Labiopalatinas e Deformidades Crânio-maxilo-faciais, promovido pela Associação Brasileira de Fissuras Labiopalatinas em parceria com a Smile Trains, estão presentes grandes especialistas mundiais.

O evento, organizado pela Associação Brasileira de Fissuras Labiopalatinas (ABFL), terá palestras com profissionais do Brasil e exterior.

O simpósio ocorrerá no Hotel Holliday IN, em Ponta Negra e a programação conta com palestras,conferências e mesas redondas que irão discutir as recentes descobertas sobre o assunto no meio científico, assim como as formas de tratamento dos pacientes portadores das fissuras labiopalatinas.

Entre os palestrantes, uma equipe multiprofissional com nomes de destaque internacional, como os argentinos Ricardo Bennun, cirurgião plástico e Anália Langsan, ortopedista dos maxilares, além de nomes nacionais, como Renato Lage, cirurgião plástico e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

O evento será voltado para profissionais e especialistas na área, com algumas palestras abertas para graduandos na área de saúde.

O investimento será de 100 reais para profissionais e 50 reais para graduandos.

Para mais informações e ficha de inscrição, no site da ABFL.

http://abfissuraspalatinas.blogspot.com/

As fissuras lábiopalatinas são deformidades congênitas em que o bebê apresenta o lábio ou o palato (céu da boa) partido – uni ou bilateralmente.

São conhecidas popularmente como lábio leporino.

De 650 crianças nascidas no Brasil, uma pode apresentar a deformidade.

O tratamento é bastante longo e dependendo do grau, pode incluir mais de oito cirurgias, além de vários anos de acompanhamento profissional para reabilitação.

Por vezes, pode exigir uma equipe multiprofissional para compreender a complexidade do problema.

De acordo com o cirurgião plástico Leonardo Spencer, é essencial o trabalho de uma equipe de profissionais diversificados, uma vez que o tratamento dos fissurados é longo e bastante complexo.

“Temos que compreender a necessidade dos pacientes e dos seus familiares”, completou.

Spencer faz parte do comitê organizador do simpósio, além de ser um dos conferencistas do evento.

Texto: Nadjara Martins.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *