STATUS DA AFTOSA É TEMA DE REUNIÃO ENTRE BETINHO ROSADO, RUI SALES JÚNIOR, FRANCISCO SÉRGIO FERREIRA JARDIM, PLÍNIO LEITE LOPES E JOSÉ ÁLVARES VIEIRA

Posted by casciano in Economia, Política | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Ministério da Agricultura avalia mudança de status da febre aftosa no RN.

Com o intuito de discutir o possível rebaixamento do Rio Grande do Norte no status da febre aftosa, saindo de estado classificado como de risco médio para desconhecido, foi promovida na última terça-feira (07), reunião – proposta pelo Ministério da Agricultura (Mapa) e Federação da Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Norte (Faern) – com o secretário de Agricultura do RN, Betinho Rosado e o diretor do Idiarn, Rui Sales Júnior.

Na conversa, o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Francisco Sérgio Ferreira Jardim, acompanhado do coordenador da Instituição, Plínio Leite Lopes, presidente da Faern, José Álvares Vieira, e diretores do Ministério no RN, alertaram o secretário Betinho Rosado sobre a problemática da febre aftosa no rebanho estadual.

“Fizemos estudos e descobrimos que o status de risco médio poderá cair para desconhecido. E isso será muito prejudicial para toda a pecuária potiguar”, afirmou Francisco Jardim.

De acordo com o presidente da Federação da Agricultura, o governo precisa dar uma resposta rápida para essa questão.

“Temos que discutir seriamente esses dados fornecidos pelo Mapa. A governadora e o secretário Betinho precisam se alertar com relação ao problema que poderá transformar o Rio Grande do Norte em uma ilha sem contato com outros estados. E não será apenas a pecuária que sofrerá com um possível rebaixamento de status. A fruticultura também sofrerá com essa notícia. A agricultura como um todo sofrerá”, enfatizou José Vieira.

Na reunião, o secretário Betinho Rosado se mostrou receptivo as propostas do Ministério da Agricultura e afirmou que trabalhos serão feitos para reverter o possível quadro negativo.

“Iremos fazer um replanejamento para pautar as ações de combate a febre aftosa”, resumiu Rosado.

Neste mês o Ministério da Agricultura vai dar início ao cronograma para ampliar a zona livre de febre aftosa no País.

Quatro estados passarão por novas auditorias no rebanho bovino: Pará, Piauí, Pernambuco e Maranhão.

De acordo com o Mapa, esses estados apresentam as melhores condições para a mudança no status sanitário para livre de aftosa com vacinação.

“Estaremos, agora em fevereiro e março, analisando, por meio de auditorias, quatro estados que poderão sair desse patamar de risco médio. Com isso, esses locais darão um salto de qualidade. A nossa preocupação é o RN e a Paraíba (Outro estado atrasado com relação à febre aftosa) ficarem de fora. Lembramos que somos parceiros de todo os estados, e o Norte-Nordeste precisa avançar”, lembrou Plínio Lopes.

O cronograma prevê uma série de etapas após a comprovação de que as demandas do Ministério foram plenamente atendidas durante as auditorias.

Na fase seguinte ocorrerá a investigação sorológica dos rebanhos.

Este processo será realizado entre os meses de março e abril.

O problema da febre aftosa no rebanho do Rio Grande do Norte e a mudança de classificação no status de risco médio para risco desconhecido foram assuntos discutidos em audiência pública promovida em dezembro de 2011 na Assembleia Legislativa.

Na oportunidade, o presidente da Federação da Agricultura, José Vieira, alertou os diversos produtores rurais e autoridades do setor sobre a questão.

“Fizemos esse alerta com o intuito de ajudar ao Governo. Espero que com essa reunião de hoje (07) nossas autoridades observem melhor a questão. Se o rebanho potiguar voltar para o nível de risco desconhecido (fato que já ocorreu no começo da década de 2000), os produtores não poderão mais comercializar os seus animais em outros estados e nem os rebanhos desses estados poderão entrar no RN”, finalizou Vieira.

Texto: Paulo Correia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *