VAI COMEÇAR O TREINAMENTO DOS TÉCNICOS PARA A ‘SALA DE SITUAÇÃO’

Posted by casciano in Comportamento, Política | Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

Técnicos da Semarh serão treinados em Brasília para operar “Sala de Situação”.

Os técnicos da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos iniciam nesta segunda-feira (16) o treinamento de operação da “Sala de Situação”.

O objetivo desta sala é monitorar e alertar com antecedência sobre a possibilidade de inundações.

O treinamento oferecido pela Agência Nacional de Águas (ANA) se estende até o dia 19 de abril, além da Semarh, um técnico da Defesa Civil e um da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) também participam da capacitação denominada “Sistemas de Gerenciamento de Dados Hidrológicos para Uso nas Salas de Situação Estaduais”.

O programa inclui a apresentação das salas e as estratégias de trabalho previstas.

Também será apresentada a experiência das salas de Pernambuco e Alagoas que estão em funcionamento há um ano.

Os equipamentos da sala estão sendo enviados pela ANA, órgão federal que o Governo do Estado mantêm convênio para realização deste trabalho.

A sala de comando, que ficará localizada na sede da Semarh, está montada, faltando poucos equipamentos para a operação definitiva.

Além desta sala, os dados em campo serão coletados por 13 estações, sendo que sete já estão instaladas e outras seis novas também serão montadas.

Os testes para o trabalho de monitoramento iniciam logo após o treinamento dos técnicos com as estações já existentes.

De acordo com a coordenadora de Gestão de Recursos Hídricos, Joana D’arc Medeiros, a previsão para instalar todas as estações é setembro, mas a sala começará a funcionar já em junho com os dados das estações já existentes.

Serão monitoradas as bacias hidrográficas do Piranhas/Açu e do Apodi/Mossoró, que são as áreas consideradas mais suscetíveis a cheias.

Com as informações de chuvas e de modelos hidrogeológicos é possível estimar vazões que chegam a um rio, por exemplo.

Com estes dados em mãos, os técnicos da “Sala de Situação” podem apontar em quanto tempo a inundação chegará a uma área de risco.

O principal objetivo é informar com antecedência a Defesa Civil dos municípios, para que estes tomem providências, salvando vidas e reduzindo os prejuízos econômicos.

O Rio Grande do Norte, diferente de outros Estados, não convive com cheias súbitas.

Isto significa que a “Sala de Situação” ganha mais importância porque por meio do monitoramento ela acompanha a possibilidade de cheias em tempo real com possibilidade ainda maior de ação da defesa civil.

Texto: Ana Luiza Cardoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *